sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Carta aberta aos Senhores Bispos das Igrejas Particulares do Estado de São Paulo – Regional Sul 1



São Paulo, 06 de Novembro de 2015


“Se achei graça a teus olhos, concede-me a vida,
eis o meu pedido; salva meu povo, eis o meu desejo.”  Est 7,3


Estimados Pastores,

Nós do Grupo de Ação Pastoral da Diversidade de São Paulo, formado por cristãos católicos leigos LGBT, nos dirigimos a V. Ex.ªs com grande tristeza por ocasião de mais uma dolorosa morte, motivada pela exclusão e pelo preconceito. Nesta terça-feira (03/11) no município de Poá – Diocese de Mogi das Cruzes, Luiz Aquino, um menino de 16 anos, filho de um lar católico, morreu por suas próprias mãos por não mais suportar o preconceito e a intolerância que sofria por conta de sua condição homossexual. Segregado e sem rumo, Luiz se enforcou.

A Igreja Católica deu um passo adiante incluindo no Catecismo a exigência de se evitar qualquer discriminação às pessoas homossexuais. Outros passos foram dados no Sínodo dos Bispos deste ano que reforçou a necessidade de atenção pastoral às famílias com pessoas com essa orientação. Mas em muitas de nossas comunidades ainda se encaminha os jovens LGBT a ‘terapias de reversão’ ou a ‘orações de cura’, que frequentemente são formas disfarçadas de exorcismo. E é contra essa homofobia presente nas nossas paróquias e dioceses, contra esse ‘medo’ das pessoas homossexuais e transgêneros, que escrevemos essa carta aberta pedindo a vossa voz forte e profética para lembrar a todos que qualquer oposição doutrinária, que possa haver às práticas afetivas das pessoas LGBT, não elimina a dignidade fundamental que possuímos como filhos e filhas de Deus.

Compreendemos a preocupação com a doutrina, mas o que pedimos é que a Igreja não se prenda na ambiguidade, porque para além dos documentos onde se prega a nossa acolhida, são condenações sem fim que tantas vezes ainda ouvimos nos púlpitos, nos grupos de oração, nos almoços em família. E cada vez que ouvimos nos chamarem de doentes, pervertidos, pecadores e perigosos é a compreensão do nosso valor enquanto filhos de Deus que se parte, é o nosso espírito que se rompe, muitas vezes sem possibilidade de reparação.

Não foi o desejo de Deus que Luiz morresse. A sua morte foi resultado da ignorância e do medo de sua comunidade, de sua escola, de parentes e amigos, de sua Igreja quanto à realidade das pessoas LGBT. Em nossas comunidades existem muitos outros meninos e meninas como Luiz, eles estão rezando por compreensão e aceitação, muitos outros estão escondidos com medo da violência, do preconceito e do abandono. Essa também é a história de muitos de nós, membros deste grupo de ação pastoral, pois ainda que alguns tenhamos encontrado a acolhida calorosa que se espera na casa do Pai, outros ainda somos açoitados pela incompreensão e pela vergonha.

Luiz Aquino era nosso irmão! Em nossa Igreja ele foi batizado, mas não plenamente acolhido. Os amigos dizem que ele era gentil, amoroso e alegre e aos olhos de Deus o Amor e a Bondade são tudo o que importa. É nesta certeza que esperamos que o Senhor o acolha em Seus braços e conforte sua família neste momento de dor, para o qual não encontramos palavras de acalento, mas apenas nossa oração sincera. Assim como pedimos por todos os nossos irmãos e irmãs que encontraram na morte a única saída para uma vida de sofrimento e negação, e por todos os irmãos e irmãs vitimados pela violência homofóbica.

Caros Bispos, nós também somos filhos dessa Igreja, também somos o Povo de Deus, e pedimos a vossa bênção e a vossa acolhida para crescermos em comunhão enquanto participamos do anúncio da Boa Nova de Jesus. Enquanto Comunidade LGBT, nós esperamos por mudanças, mas sabemos que a principal mensagem do Evangelho é que ninguém pode ser excluído, especialmente de uma comunidade que guarda em seu coração a mensagem da salvação.

Com nosso afetuoso abraço,


Grupo de Ação Pastoral da Diversidade - SP
diversidadesp@hotmail.com


4 comentários:

  1. VAMOS DAR DIVULGAÇÃO EM www.adital.com.br - Há cristãos e comunidades que nem se colocam esses problemas. Sua carta ajude esses corações de pedra a se derreter pela compaixão e solidariedade.
    Ermanno - direto de Adital.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos pelo apoio e pela divulgação!
      Precisamos desfazer os mecanismos de exclusão e morte deste mundo, porque Deus nos dá vida em abundância.

      Excluir
  2. Saudação fraterna!
    Por favor, vamos divulgar o máximo. Vidas e vidas estão sendo sacrificadas nos "altares" dos impostores fundamentalismos. Bravo o chamamento à consciência eclesiástica!
    Cyzo Assis Lima, fpm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos pelo apoio!
      Precisamos desfazer os mecanismos de exclusão e morte deste mundo, porque Deus nos dá vida em abundância.

      Excluir